Make your own free website on Tripod.com

  Ano IX - Macau-RN, 01 a 15 de abril de 2004
  Editorial
  Charge
  Cartas
   Ponto Crítico
 
  Cidade
  Estado
  Grande Macau
  Esporte
  Política
  Economia
  Ciência e Tecnologia
  Educação e Cultura
  Últimas Notícias
 
  Status
  Astral
  Galera Radical
  Idéias e Debates
  Foto Legenda
 
  O Jornal
  Expediente
  Contato
  Utilidade
:. Educação & Cultura

Sobra vagas de professores na rede pública

Adrovando Claro
Uma comissão criada pelo Ministério da Educação (MEC) vai instituir uma política de incentivo à formação de novos professores e também de estímulo à capacitação dos que já estão no serviço efetivo. Existe atualmente um déficit de 253,8 mil professores na rede básica de educação de prefeituras e Estados.


A Comissão de Aperfeiçoamento de Professores do Ensino Médio e Profissional (CAPEMP) foi criada em dezembro do ano passado, mas ainda não tem recursos e se encontra em estágio de implantação. A função da comissão será de assessorar o MEC no aperfeiçoamento técnico e pedagógico de 100 mil professores que trabalham no momento no ensino médio. A primeira etapa vai ser a realização de um levantamento da carência de professores em todos os Estados.

Até o final do ano vai ser concluído um Censo do Professor, que servirá como base de pesquisa para a comissão articular medidas mais concretas. Como por exemplo, encontrar uma solução definitiva para preencher cerca de 45 mil vagas para professores de física e química.

A defasagem salarial da categoria é um tópico negativo que afasta os novos professores. A função acabou servindo apenas como “bico” para complementar outras remunerações e profissões do mercado de trabalho. O desanimo é completo para os profissionais de sala de aula, que ano após ano, não vêem valorização no trabalho, tampouco salário digno para sobreviver apenas da função.

O governo federal substituiu o Fundef pelo Fundeb (Fundo para o financiamento do ensino básico), que será uma tentativa para resgatar parte da inércia salarial dos professores no Brasil. Resta saber se as verbas vão aparecer com aplicações justas para minimizar a baixa qualidade da educação, ou se vão continuar no mesmo caminho do desvio do dinheiro para outras necessidades dos municípios.